Gênio Obsessivo – fragmento do livro

Estava lendo um fragmento do livro para incluir no livro que estou escrevendo, resolvi postar aqui, pois se trata de uma das obras da Marie Curie que eu mais gosto.

Passar o bastão

            […] Em 1904, o assistente de Thomas Edison morreu envenenado por radiação, enquanto tentava desenvolver uma lâmpada de raios X. Naquela época, os Curie sabiam que os raios X eram bem menos perigosos do que os raios de rádio.

No instituto Kaiser Wilhelm, Lise Meitner isolou seu laboratório com chumbo e alertou sobre os perigos da exposição a substâncias radioativas. Numa forma primitiva de proteção, Meitner exigia frequentes lavadas de mãos e colocava papel higiênico junto ás maçanetas para serem usados quando fossem abertas ou fechadas as portas. As salas de conferência disponham de cadeiras escuras e claras: as claras para quem trabalhasse com substâncias radioativas fracas e as escuras para quem estudasse materiais radioativos mais fortes. Meitner instalou ventiladores e coifas sobre as mesas de trabalho para remover a fumaça e protegia materiais radioativos em caixas de chumbo. Ela exigia que sua equipe usasse fórceps ao lidar com materiais radioativos. Num exemplo de “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”, Marie também instalou muitas dessas proteções, mas tanto ela quanto Irène costumavam ignorá-las. Elas usavam as mãos nuas em experimentos e, o que é chocante, com frequência transferiam rádio e polônio de um recipiente para outro, sugando essas substâncias com uma pipeta. Com o passar dos anos, mesmo com a piora de saúde, elas continuaram trabalhando desprotegidas.

Durante a Primeira Guerra Mundial, quando trabalharam em vários hospitais de campanha, tanto a mãe quanto a filha se expuseram a doses maciças de raios X e gás radônio. Em 1921, Marie Curie escreveu em Radiologia e a guerra que a radiodermatite poderia levar a morte. Ela pouco ligou  para sua própria descoberta. […]

[…] dois engenheiros ex-alunos de Marie morreram após preparar soluções industriais de tório X. Outro teve os dedos amputados, depois a mão, depois o braço. Em seguida, ficou cego. Soddy acusava o rádio de tê-lo tornado estéril.

GOLDSMITH, Barbara. Gênio obsessivo: O mundo interior de Marie Curie. São Paulo: Companhia das Letras. 2006, p. 187-189.

Anúncios

2 Respostas para “Gênio Obsessivo – fragmento do livro

  1. Escreve sobre Radioatividade no livro? Termina quando?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s